Salvati & Sirena


Criar vinhos únicos, que ao serem apreciados demonstrassem, em seu gosto, a dedicação e o carinho da produção artesanal.

Esse era o sonho do enólogo Silvério Salvati, que queria construir uma pequena vinícola familiar, fugindo das produções industriais.
Uniu-se a esse projeto a família Sirena, apostando no empreendimento. Assim, surgiu a sociedade e o nome da vinícola. Depois de criada, a vinícola aderiu ao Projeto Cultural Caminhos de Pedra, que é responsável pelo resgate e preservação da cultura da colonização italiana, da arquitetura, do dialeto vêneto, da gastronomia, dos costumes socioculturais e religiosos.
Hoje, a vínicola Salvati & Sirena faz parte do contexto cultural da imigração italiana na Serra Gaúcha, resgatando variedades de uvas quase não mais cultivadas, trazidas por imigrantes, elaborando vinhos exclusivos de extrema qualidade.

Histórico


Foi quebrando pedras basálticas durante quase uma década que a vínicola foi construída.

O trabalho foi extenso e árduo, porque as pedras quebravam de forma irregular. Mesmo assim, elas foram utilizadas, formando uma característica peculiar, que na arquitetura e engenharia é chamada de cantaria.
O resultado foi a construção de um local único e memorável. A vínicola é octogonal, estrutura que foi cuidadosamente estudada para o melhor aproveitamento do espaço físico. No interior do prédio, são preservadas pipas de madeira de diversas formas e tamanhos.
As pipas instaladas no local permitem que o vinho, através dos poros de madeira, faça uma troca com o meio ambiente, permitindo que a bebida tenha uma característica única em seu envelhecimento, resultando em sabor incomparável.

Acesse nosso site institucional: www.salvatisirena.com.br